Sopa de marisco


fotografia: Michel Téo Sin / food styling: Heiko Grabolle

Esta fotografia de Sopa de marisco, para a TopMed Magazine parece simples, porém tínhamos os seguintes requisitos:

  • Área limpa com ambientação para aplicação do texto
  • Brilho na sopa, porém sem estourar a imagem
  • Mostrar os mariscos na sopa

Em todo trabalho é sempre importante saber os requisitos a serem seguidos pois guiam os estudos, testes e produção da imagem.

Receita alemã para Senior Sistemas


fotografia: Michel Téo Sin / food styling: Heiko Grabolle / cliente: Senior Sistemas

A Senior Sistemas convidou o chef alemão Heiko Grabolle para elaborar uma receita típica alemã para apresentação no Evento de Relacionamento Senior Ein Prosit. O evento Ein Prosit é uma mini Oktoberfest que leva ao público tradições e um pouco da cultura alemã de Blumenau.

O chef alemão Heiko Grabolle apresentou a receita nas 10 cidades do evento, onde após cada apresentação os participantes ganharam um kit brinde da empresa. Produzimos a fotografia do Hackepeter para ilustrar a receita que fazia parte do brinde.

O Hackepeter é um prato servido em grandes quantidades e por ser desconhecido no Brasil, foi feita uma releitura para deixá-lo visualmente mais atraente aos olhos das pessoas que não conhecem a receita.

O objetivo da fotografia foi transmitir o frescor e leveza do Hackepeter explorando cores, brilhos e texturas.

Fotografar produtos para exportação


fotografia: Michel Téo Sin | food stylist: Heiko Grabolle | cliente: FitFoods

Como sou chef e trabalho todos os dias com diversos produtos, sejam frescos ou congelados, percebo que o mercado brasileiro oferece muito mais variedade do que o alemão.

Para nós, profissioais da área da gastronomia, as descrições e especificações dos produtos são muito importantes. Um exemplo é na compra do camarão, onde as informações podem dizer se está limpo ou sujo, se foi cultivado ou pescado e sobre a classificação do seu tamanho, que é a relação peso x quantidade, onde quanto mais camarão há por quilo, menor é o seu tamanho.

O comentário se faz importante pois fizemos um trabalho para uma empresa de exportação de peixes congelados. Fotografar filé de peixes, postas ou até peixes inteiros pode parecer fácil, mas é necessário estudar e conhecer as caraterísticas do produto. A fotografia deve reproduzir de forma clara e objetiva todas as características reais e descritas na embalagem, como a direção do corte em relação à fibra, o tipo de corte, com espinhos ou sem, etc.

Em trabalhos deste tipo é importante a experiência na área da gastronomia e conhecimento técnico e do mercado exterior. Gostei de realizar este trabalho pois acredito que tentamos ao máximo ajudar a empresa promover e vender os seus produtos e o consumidor lá fora a entender o produto brasileiro que ele está comprando.

Fotografia de Panetone II

Panetone Bunge
fotografia: Michel Téo Sin | food stylist: Heiko Grabolle | cliente: Bunge Alimentos

Vou aproveitar e também falar de Panetones. Parece simples, mas produzir panetones para fotografias demanda muito cuidado e planejamento.

  • Opções para escolher: Você deve preparar pelo menos 3 panetones, para você ter opções para escolher o mais fotogênico exteriormente e também o com o melhor interior. O terceiro e (mais feio) fica de doador para remendos.
  • Remendos: Nem sempre o interior do panetone é perfeito e pode vir com grandes buracos indesejáveis. A solução é preencher estes buracos com partes do doador. Também é valido usar uma tesoura para aparar pontas e os próprios remendos.
  • Recheio: Quando você cortar a fatia, pode acontecer de que a parte escolhida não possua tanto recheio quanto as outras partes do panetone. A solução é fazer buracos e preencher com o recheio.
  • Elementos: Muitas vezes alguns elementos de decoração são bonitos individualmente, porém não interagem de uma boa maneira com o conjunto da cena. Tenha sempre uma variedade extra de objetos, além dos que foram definidos no briefing.

E siga as outras dicas para um bom trabalho.

Dicas para um bom trabalho

_MG_9508_blog

fotografia: Michel Téo Sin | food stylist: Heiko Grabolle | cliente: Bunge Alimentos

Preparar comida para uma fotografia não é fácil. É necessário ser extremamente detalhista, cuidadoso e interagir da melhor forma com o fotógrafo para tornar o trabalho divertido e leve. Trabalhar no estúdio é bem diferente do trabalho na cozinha, mas é igualmente necessário de um bom planejamento.

Seguem abaixo minhas 8 regras que uso para fotografar comida:

1. Fazer um briefing do trabalho com o fotógrafo e cliente

2. Estudar os pratos que serão fotografados

3. Estudar e conhecer os alimentos e elementos que são mais fotogênicos

4. Planejar e organizar seu mise en place

5. Preocupação com o frontside

6. Limpar e higienizar todas as louças e ambiente

7. Trabalhar rápido para que os alimentos não sofram mudanças de temperatura e aspecto

8. Trabalhar em equipe com o fotógrafo

Fotografia vs produto real

_MG_0938_blog
fotografia: Michel Téo Sin / food styling: Heiko Grabolle

O Michel me fez lembrar de um assunto interessante no post “Investir na imagem do seu produto”, que é a diferença entre a forma em que os alimentos são apresentados nas fotografias e como eles são realmente.

Quando sou questionado sobre a diferença da aparência de um alimento numa fotografia e a realidade, confirmo sim que muitas vezes o produto vendido não se parece com a imagem da embalagem, menú, anúncio, etc.

Então explico que uma foto não tem aroma, temperatura, textura e nem sabor, e por causa disto que a imagem precisa ser visualmente tão atraente e forte ao ponto de estimular os outros sentidos do observador. A fotografia deve mexer com a imaginação, fazendo com que uma pessoa sinta o sabor, aroma, a temperatura e textura do alimento, somente olhando a fotografia do mesmo, e assim tenha vontade de comer tal alimento.

Atualmente o avanço das técnicas de food styling, fotografia, design gráfico e impressão permitem que essas sensações sejam mais facilmente transmitidas ao consumidor.

Mise en place para fotografia

_MG_0943_blog-2
fotografia: Michel Téo Sin / food styling: Heiko Grabolle

A palavra Mise en place vem do francês e usamos esta nomenclatura para definir todas as pré-preparações na cozinha. As vezes o Mise en place é simples, pois pode significar somente as preparações das facas, tábuas, e organização dos alimentos. Em outros casos também pode ser bastante complexo, incluindo o pré-processo de molhos, cocções de alimentos, preparações de recheios, cortes e decorações e etc.

Na fotografia de alimentos também usamos a expressão Mise en place, porém adaptado para as preparações na fotografia, tais como a escolha das toalhas, dos ornamentos e de todos os detalhes que serão usados na foto, incluindo ainda as preparações técnicas para cozinhar, cortar e manipular os alimentos a serem fotografados.

O mais importante para ter um bom Mise en place de fotografia é ter um bom planejamento. Consegue-se isto fazendo um briefing completo do trabalho com o cliente e o fotógrafo.